Gentílicos derivados de “Brasil” e o “português de torna-viagem” em fontes portuguesas dos séculos XVI, XVII e XVIII

Autores

Nelson Papavero
(Organizador)
Universidade de São Paulo. Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras de Ribeirão Preto

Sinopse

A obra aborda os gentílicos derivados de “Brasil” e o “português de torna-viagem” em fontes portuguesas dos séculos XVI, XVII e XVIII. Os gentílicos derivados de “Brasil” designaram, no passado, os índios brasileiros, a Língua Geral e, finalmente, todos os nascidos no Brasil. É interessante notar que esses nomes apareceram tardiamente na literatura de língua portuguesa – apenas nos séculos XVII e início do XVIII. E, ao contrário do que seria de esperar, são relativamente pouco frequentes. “Brasileiro” foi também empregado para a referência a portugueses que, tendo vivido certo tempo no Brasil, aqui fizeram fortuna e regressaram a Portugal, os chamados “Brasileiros de torna-viagem”. Por outro lado, “Brazileiro” foi empregado como designativo de um continuado exercício, tráfico ou ofício para designar os traficantes de pau-brasil. A obra também inclui as variantes desses gentílicos e citações ulteriores, com a respectiva literatura.

Downloads

Não há dados estatísticos.
Capa para Gentílicos derivados de “Brasil” e o “português de torna-viagem” em fontes portuguesas dos séculos XVI, XVII e XVIII
ISSN online
2318-2032

Detalhes sobre essa publicação

ISBN-13 (15)
978-85-7506-351-4