Teatralidades diaspóricas

Autores

Dodi Leal
(Organizador)
Universidade Federal do Sul da Bahia
Éder Rodrigues
(Organizador)
Universidade Federal do Sul da Bahia
Felisberto da Costa
(Organizador)
Universidade de São Paulo. Escola de Comunicações e Artes

Palavras-chave:

Teatro, Teatro - Aspectos sociais, Teatro - Representação, Performance, Arte-educação

Sinopse

Há registros mostrando que a trança surgiu no continente africano. Tranças formando paisagens, desenhos nas cabeças que sinalizavam a origem da pessoa. Durante o período de colonização do Brasil, tranças serviram como rotas e mapas desenhados nas cabeças de homens e mulheres que foram escravizados, para planejamento das fugas. Estratégias e jogos de corpos, invenções de narrativas como armas libertárias. Invocando ações que lançam olhares em diversos processos, a obra Teatralidades diaspóricas revela um entrançado potente, por intermédio de capítulos que compõem uma escritura-paisagem, na qual podemos contemplar articulações que sinalizam o chão de seu propósito: o corpo insurgente, forjado como arco e lira simultaneamente, arma e arte, em uma perspectiva (tensão) expandida necessárias à criação de outros mundos.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Downloads

Publicado

novembro 12, 2021

Licença

Creative Commons License
Este trabalho está licenciado sob uma licença Creative Commons Attribution 4.0 International License.

Detalhes sobre essa publicação

ISBN-13 (15)

978-65-88640-48-7

doi

10.11606/9786588640487